domingo, 3 de julho de 2011

Miniconto: Domingo no café da manhã


Domingo no café da manhã



- Olhe o que diz aqui sobre você.

- Sobre mim? Onde?

- Aqui no horóscopo da Linda.

- Ah!...Que Linda?

- Linda Goodman, aquela astróloga famosa, comprei ontem, você estava distraído entre seus livros.

Ele olhando por cima dos óculos:

- E você acha que eu sei quem é esta fulana?

- Ela é ótima, acerta tudo.

Ele já voltou ao jornal.

- Todo geminiano é um enigma. Escute.

- Hum? Enigma?

- É, você é um enigma.

Ele dá uma gargalhada.

- Eu sou o que sou, você não precisa me decifrar...

- E você acha que eu consigo conviver com um enigma? Dormir com um?

- Por mais que tente me decifrar, nunca me alcançará. Já devia saber disto.

Ele está lendo, a cara afundada no jornal. A mandíbula contraída.

- Imprevisível. Sabe esconder o que realmente sente. Viu?

- O que?

- Não diz o que sente.

- E você precisa que eu diga?

- Não tente se aprofundar muito nele.

Ele sem levantar os olhos do jornal:

- Fico admirado de você acreditar nestas baboseiras...afinal é uma mulher inteligente.

- Ah! Sabe o que mais? Diz que você pode sair para comprar jornal hoje e voltar daqui a três dias. Que eu nunca sei onde você está, porque está em vários lugares ao mesmo tempo. Viu?

- Viu o quê, madame? Por acaso já sai para comprar algo e não voltei?

- Voltou sim, mas quantas vezes viaja e não me dá notícias.

- Você sabe onde estou. E sabe muito bem, que eu detesto me sentir controlado.

- OK. Mas não tenho culpa, sou virginiana, controladora, mon cher.

- Escute isto: os nascidos em gêmeos precisam de dois amores e não exatamente de duas mulheres. Não é um enigma?

Ele levanta os olhos do jornal, mas não diz nada. Volta para a leitura.

- Não vou mais te perturbar, escute só mais esta: Ele terá sempre compulsão em agir de modo exatamente oposto aos seus verdadeiros desejos.

Ele se levanta, olha enviesado e vai em direção à porta.

- Vai sair?

- Vou, quem sabe volto daqui a três dias. Tchau.

6 comentários:

Tina disse...

Oi Laura!

Amei o miniconto, cheio de verdade! Eu sou Virginiana, sei bem o que é isso... rs Parabéns pelo texto.

beijos querida, boa semana!

Anônimo disse...

Oi Elianne,
Gostei muito desse! É uma reflexão e tanto: mesmo eu, sendo sagitariana, com uma pessoa assim, fugiria 3 dias e só Deus sabe se voltaria...rs.
Mas como eu também detesto controlar...enfim, entendo o homem!
Beijão, boa semana, flor!
Adriana

Ana Carina Rodrigues disse...

Geminiana autêntica. Se nem eu consigo me entender e saber o que quero - e convivo bem com isso, ou quase. - Por que tenho que aguentar alguém me pressionando, né não?
Adorei! hehehehe
Só você mesmo consegue tornar tão denso algo banal.
Bjs, querida!

Diz disse...

Tina e Adri obrigada pelo comentário.
Pois é, os dois são difíceis. rs fiz pensando em alguém- num geminiano q eu conheço bem.
Bjs Elianne

Diz disse...

Ana Carina e vc sempre generosa comigo.
Tks, querida, bjs Elianne

valter ferraz disse...

Às vezes não precisa ser geminiano para sair para comprar o jornal e não voltar mais. É da natureza humana não querer ser controlado, vigiado e insistentemente cobrado. Às vezes aquela simples pergunta que os amantes se fazem: -vc me ama? É pertubadora e controladora. Castra, cessa a vontade de ficar junto. Homem e mulher são de naturezas íntimas diferentes; é preciso sempre levar isso em consideração.
Voltando ao conto: muito bem escrito, quase dá vontade de interferir no diálogo, não fosse uma conversa intima.
Beijo, menina